A indústria da multa. Mito ou verdade?

industria-da-multa

Possuo grandes preocupações, e destas,

manifesto “uma” com mais frequência.

É o uso disseminado da frase:
– A “Indústria da multa”;
(Que confio não ser absolutamente correta)

Consciente da quantidade enorme de condutores,
que desrespeitam as normas de trânsito – tanto nas vias públicas como nas estradas,
rotulo esta rebelião de legítima e autêntica “crendice popular”.

E assumindo a liberdade da vontade, pergunto ao leitor:

– De que maneira o “agente fiscalizador” pode alterar o valor da velocidade que aparece digitalmente – após focalizar seu veículo -, no equipamento denominado “radar”?
(Também sabemos que eles devem ser constantemente aferidos)

– Que procedimento o “agente fiscalizador” usaria para trocar uma placa de sinalização na via, onde se identifica “permitido estacionar” para “proibido estacionar”, em instantes…
…(enquanto você vai à farmácia, por exemplo)?

continue lendo →

Sinalização precária e até mesmo a falta dela, aponta para mais uma indústria da multa em Cuiabá?

fiscalizacao

Recentemente começou a funcionar os radares e lombadas eletrônicas na cidade de Cuiabá, com o objetivo de conscientizar motoristas e reduzir acidentes, porém, muitos motoristas estão alertando sobre a sinalização precária, e até mesmo a falta dela.

Na Av. Mato Grosso por exemplo, a placa de sinalização está escondida por trás da planta, impossibilitando o motorista de visualizar.

O fato levanta o questionamento do motorista sobre a real intenção destes radares, e aponta a volta da indústria da multa na cidade.

Confira abaixo o depoimento recebido na pagina do face BuracosMT

Quero registrar meu desapontamento com os radares e lombadas eletrônicas já em funcionamento. Diferente do que foi anunciado, onde há sinalização, ela é precária, como a da foto, na subida da Av. Mato Grosso, em outros locais não há sinalização nenhuma. Isso aponta para a volta da indústria da multa, e não a preocupação em reduzir acidentes. Não sinalizar a velocidade da via e a presença do equipamento eletrônico, pode levar motoristas a reações bruscas, aumentando o risco de acidentes.